Aluno do UNIARAXÁ fica entre primeiros colocados no 17º Congresso Nacional de Iniciação Científica

No trabalho, o aluno realizou levantamento das espécies de aves e mamíferos que ocorrem no Córrego Feio, manancial do município de Araxá

Por Da redação 18/12/2017 - 21:01 hs
Foto: Divulgação

Ano letivo sendo concluído e os alunos do UNIARAXÁ conquistando reconhecimento em nível nacional. A mais recente conquista é do aluno Jorge Ferreira Lima Neto, do 4º período do Curso de Engenharia Ambiental e Sanitária, que ficou em 6º lugar, entre os mais de 2,4 mil trabalhos apresentados na categoria Trabalho Concluído na área de Ciências Biológicas, durante o 17º Congresso Nacional de Iniciação Científica (CONIC) realizado em São Paulo nos dias 24 e 25 de novembro. Ao todo, 18 alunos dos cursos de Administração, Agronomia, Educação Física, Engenharia Ambiental e Sanitária, Engenharia Civil e Fisioterapia, tiveram seus trabalhos aprovados para o Congresso.

No trabalho, o aluno realizou levantamento das espécies de aves e mamíferos que ocorrem no Córrego Feio, manancial do município de Araxá, com ênfase nas espécies ameaçadas e engenheiros de ecossistemas. O trabalho aponta para a importância desta e de outras áreas similares na conservação da biodiversidade regional, na prestação de serviços ambientais como a manutenção da qualidade e quantidade dos recursos hídricos e do equilíbrio ambiental.

O coordenador adjunto de Pesquisa, Carlos Henrique de Freitas, destaca a importância do Programa de Iniciação Científica, para o desenvolvimento acadêmico e profissional do aluno. “É uma experiência ímpar e magnífica, pois permite ao aluno a descoberta do mundo da Ciência e suas diversas características. É quando ele percebe que tem o poder de empreender e dedicar-se a pesquisa como o fazem os grandes cientistas e, para além, poder ser responsável por produzir um conhecimento novo para ele ou para os outros e que pode transformar a sociedade”, afirma. Segundo ele, depois que o aluno vivencia integralmente a Iniciação Científica, torna-se um pesquisador que pode seguir carreira acadêmica, tendo maiores chances de entrar em cursos de mestrado e doutorado ou mestrado profissionalizante nas diversas universidades do Brasil e até mesmo fora do país.

Aluno dedicado, Jorge afirma que ao longo do desenvolvimento do projeto de Iniciação Científica, encontrou muitos desafios, mas vencê-los o tornaram crítico e com a escrita científica apurada. “Além disso, muitas das dúvidas sobre a graduação e estar no caminho certo foram sanadas. A participação em eventos como o CONIC é uma oportunidade excelente de realizar intercâmbio com outros pesquisadores iniciantes e ter encorajamento para continuar, através da Ciência, na busca por um mundo melhor e mais justo”, completa.