Mastectomia e drenagem linfática manual

Por Cida Pithan 22/07/2019 - 19:32 hs

O câncer de mama é muito comum e responsável pela maior mortalidade entre mulheres. Em geral, o tratamento é cirúrgico, afetando vários aspectos biopsicossociais da mulher. A Drenagem Linfática Manual (DLM) é uma terapia muito eficaz para amenizar efeitos pós-cirúrgicos como acúmulo de líquidos e toxinas que causam inchaço, edemas e dor.

A mastectomia consiste na retirada total ou parcial da mama comprometida com ou sem a retirada dos linfonodos da axila (linfadenectomia axilar),

Após a cirurgia e ressecção, ou radiação das cadeias linfáticas axilares, a paciente pode apresentar o linfedema de membro superior, ficando prejudicado o transporte linfático e dificultando a mobilidade deste membro. O linfedema é definido como o acúmulo anormal de líquido altamente protéico nos espaços intersticiais, devido às falhas na filtragem e drenagem linfáticas. Pode aparecer em qualquer momento após a cirurgia do câncer de mama, provocando muita dor, depressão e ansiedade.

A DLM aplicada logo após a mastectomia devolve a normalidade da circulação linfática, evitando a formação do linfedema. Caso o quadro da paciente já apresente a formação do linfedema, a terapia ameniza o inchaço e a dor, mas as aplicações devem ser periódicas até o organismo adaptar-se as novas condições.

A terapia consiste em levar o fluído linfático até outras regiões com gânglios preservados, onde ocorre a filtragem e retirando as toxinas que são eliminadas do organismo pelos órgãos excretores através da urina e fezes.

Linfedema de membro superior

Sentido do fluxo da DLM realizada em pacientes mastectomizadas.

Fonte: http://www.fisioonco.com.br/drenagem-linfatica-manual-especializada